nas-redes.png

EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 13 de setembro

Capa
Capa

EDIÇÃO IMPRESSA


SEGURANÇA

Retorno da autoridade provocou queda da criminalidade, diz ministro

Em Florianópolis, Jorge Oliveira disse que desconstrução da autoridade encoraja o criminoso e defendeu mais segurança jurídica ao policial

Foto: Murici Balbinot

Em Florianópolis, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, disse que a redução da criminalidade registrada no país tem relação com a volta da figura da autoridade. Segundo ele, o Brasil atravessou nos últimos anos um processo de "desconstrução da autoridade" e "isso encoraja o criminoso". Oliveira participou de um evento sobre segurança pública promovido pela Polícia Militar e pela Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), no Hotel Majestic, nesta quarta-feira (11).

Para Oliveira, a melhoria dos números no país e também em Santa Catarina tem origem na liberdade gerada para agentes e para instituições de segurança. Ele diz que hoje existe mais respaldo institucional e segurança jurídica para os policiais atuarem no combate ao crime, o que "gerou um efeito dissuasório na criminalidade"

"Mas não podemos ficar somente nisso", afirmou. Ele aproveitou para citar o projeto Em Frente Brasil, iniciativa piloto do governo federal para reduzir a criminalidade. O Planalto escolheu cinco cidades do país com altos índices de violência, uma em cada região, para testar uma atuação conjunta do poder público com União, estados e municípios em áreas não apenas de segurança, mas também em saúde, educação, esporte e lazer. A representante do Sul é São José dos Pinhais, no Paraná.  

Oliveira diz que é necessário resgatar símbolos de cidadania para que a criminalidade possa ser cortada pela raiz. Segundo ele, "a violência é reflexo da falência da relação com a religião, família, e instituições" e pode ser combatida com a geração de emprego e renda para a população.  

Efeitos econômicos 

Ainda durante o governo de Michel Temer (MDB), o Palácio do Planalto realizou um estudo para mensurar os prejuízos causados pela falta de segurança no país. Segundo o documento, a violência impacta até 6% do PIB nacional de forma direta, sem medição de efeitos indiretos, como danos psicológicos.  

O estudo aponta ainda uma curva crescente de custos para o poder público. Na conta estão os gastos com auxílio reclusão, gastos administrativos, ao sistema penal, ao Judiciário, perdas materiais, entre outros. Calcula-se que esse custo, em 2015, tenha chegado próximo a R$ 300 bilhões, quase o triplo dos pouco mais de R$ 100 bilhões gastos em 1996.  

Além disso, a conta com prejuízo às vítimas também é alta. A pesquisa calcula em R$ 450 bilhões as perdas de capacidade produtiva devido a violência às pessoas, em sua maioria jovens com até 34 anos e potencial de crescimento profissional.   

"A violência também é uma grande inibidora da intenção de investir", disse Oliveira. O medo impacta diretamente no custo de propriedades, no consumo das famílias, no investimento, no turismo, no aumento do custo com seguro, e em outras áreas, que geram perdas importantes à produtividade.  

O evento 

O 1º Encontro Estadual de Segurança 'SC mais segura' reuniu, além do ministro, o governador Carlos Moisés da Silva, os secretários Douglas Borba (Casa Civil) e Carlos Alberto Araújo Gomes Júnior (Segurança Pública). Também estavam presentes o procurador-geral do Estado, Fernando Comin, o presidente da Facisc, Jonny Zulauf, da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, e da Fecomércio/SC, Bruno Breithaupt, e os deputados estaduais Luiz Fernando Vampiro e Sargento Lima.




As mais lidas do dia

jr.png

| | insta |

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809

 

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

 

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.