nas-redes.png

EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 13 de setembro

Capa
Capa

EDIÇÃO IMPRESSA


PEGADA

Previna seu pet contra a Traqueobronquite infecciosa

TOSSE. Doença contagiosa se propaga através do ar e do contato direto entre cães

A Traqueobronquite Infecciosa Canina ou Tosse dos Canis é uma doença contagiosa, caracterizada por provocar nos cães infecção respiratória de início súbito, secreção naso-ocular e ataque agudo de tosse. Os sinais clínicos são dependentes da etiologia. Para cães que se infectaram com um único agente, a doença é geralmente branda e autolimitante. Mas, é alta a ocorrência de infecções causadas por múltiplos agentes, com consequente agravamento dos sinais clínicos.  

A Bordetella bronchiseptica e o vírus da Parainfluenza canina são os agentes mais comumente isolados de cães com Tosse dos Canis. Entretanto, outros vírus e bactérias podem influenciar no progresso clínico e resultado da infecção. Já foram desenvolvidas vacinas para a maioria dos agentes associados à doença. A imunoprofilaxia é recomendável, principalmente aos animais que costumam ser hospedados em hotéis ou que vão para canis e "pet shops".

Sintomas 

A tosse que acomete cães com a enfermidade é chamada de "tosse de ganso". Ela pode ser produtiva ou improdutiva, e frequentemente piora com o exercício físico. Pode haver ainda engasgo, ânsia de vômito e corrimento nasal. Há duas formas de apresentações clínicas da doença, a primeira é caracterizada por um ataque de tosse seca e acomete cães vacinados. O curso clínico da doença é de 1 a 3 semanas. Em alguns casos, pode ocorrer uma Pneumonia intersticial ou uma Broncopneumonia

A segunda forma ocorre normalmente em cães sem vacinação ou exposição natural prévia aos agentes que causam a Tosse dos Canis. Nesta forma, os sinais clínicos são mais severos. A tosse pode não ser produtiva, com ou sem rinite e com secreção nasal e ocular mucóide a mucopurulenta. A tosse do animal parece causar dor e alguns cães relutam a tossir. Complicações associadas com broncopneumonia podem levar o animal a óbito. 

Diagnóstico 

Na prática não há uma preocupação em se realizar o diagnóstico definitivo da Tosse dos Canis, mas sim se descobrir se há uma complicação da doença. O diagnóstico clínico é baseado na história do animal (se teve contato recente com outros cães e se foi vacinado), nos sinais clínicos e na resposta do animal ao tratamento, mas este diagnóstico não é definitivo. 

A síndrome Tosse dos Canis deve ser diferenciada de outras doenças que também causam tosse. Normalmente a Tosse dos Canis se diferencia de outras doenças por ser muito contagiosa e pelo período de incubação de 3 a 10 dias.

Tratamento 

Os casos que não tiverem complicação se resolvem com tratamento dentro de 4 dias a 3 semanas, dependendo da severidade. Os cães que possuem sinais persistentes por mais de 2 semanas devem ser avaliados para complicações secundárias ou para a reavaliação do diagnóstico. Pode ser necessário o tratamento com antibióticos, anti-inflamatórios, antitussígenos, dependendo do protocolo veterinário.

Prevenção 

As vacinas estão disponíveis contra a maioria dos agentes que tem papel na patogenia da Tosse dos Canis e vem sendo utilizadas em programas de vacinação na rotina clínica. Algumas das vacinas disponíveis são para uso parenteral e outras intranasal. As vacinas de uso intranasal parecem ter melhor efeito, pois induzem uma imunidade local, protegem o animal contra uma infecção e contra a doença e, ainda, não estão sujeitas à interferência dos anticorpos maternos.





As mais lidas do dia

jr.png

| | insta |

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809

 

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

 

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.