nas-redes.png

EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 22 de Maio

Capa
Capa

EDIÇÃO IMPRESSA



TV Razão

 


COVID19

Maiores focos da Covid-19 em SC estão em municípios polos e em áreas conturbadas

De 10 a 17 de maio, aumento de casos no Estado foi o mais elevado desde o início da pandemia

Santa Catarina - O Laboratório de Conservação e Gestão Costeira da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) avalia, desde o início de abril, o conjunto de dados relacionados às ocorrências de casos de Covid-19, de natureza territorial para o Estado de Santa Catarina e a região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (Amfri), de acordo com dados do Ministério da Saúde, Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina e Defesa Civil de Santa Catarina. As análises atualizadas ontem, dia 17 de maio, apontam que, no período de um mês, o Estado teve um incremento de 396,4% no número de casos da doença e de 167,7% no número de óbitos de pessoas com o vírus.

Os maiores focos da Covid-19 no Estado estão localizados em dez municípios, sendo sete municípios polos do Estado e três (Balneário Camboriú, Navegantes e Braço do Norte) municípios localizados em áreas conturbadas (Itajaí - Balneário Camboriú e Navegantes), ou com grande sinergia socioeconômica com os municípios vizinhos (Braço do Norte com Tubarão e Criciúma), conforme indica a lista abaixo:

  • Chapecó  506
  • Florianópolis 473
  • Blumenau 418
  • Joinville 308
  • Criciúma 281
  • Concórdia 243
  • Balneário Camboriú 179
  • Itajaí 176
  • Navegantes 161
  • Braço do Norte 109

No dia 17 de abril, segundo o relatório, Santa Catarina tinha 94 municípios com casos da doença. Já ontem (17), o Estado registrou 169 municípios com casos notificados, um aumento de 80% em um mês. Atualmente, 57,2% dos municípios catarinenses possuem pelo menos um caso da COVID 19. Com base nos dados de ontem (17), Santa Catarina está em 10º lugar no número de casos registrados entre os 27 estados brasileiros (4.776 casos), sendo também o Estado com maior número de acometimento do coronavírus no sul do Brasil (44,23% dos casos). O Estado está em 16º lugar (83) em número de óbitos e sua taxa de acometimento está em 1,44%. A região brasileira com maior número de casos segue sendo é a sudeste com 39,81% dos casos, sendo a região sul a penúltima no número de casos (4,47%). 

Considerando a semana de 10 a 17 de maio, Santa Catarina teve um incremento de 39,2% no número de casos (o maior desde o início da doença no Estado - 1.347 casos em uma semana). Em número de óbitos, houve um incremento de 27,6% de óbito no Estado (13 óbitos - o maior número em uma semana). A Macroregião Sul apresenta 18,4% dos casos catarinenses com 40 municípios com casos da Covid 19, seguida pela foz do Rio Itajaí (11 municípios), Grande Florianópolis (14 municípios) e Grande Oeste (34 municípios). 

O professor Marcus Polette, docente da Escol do Mar, Ciência e Tecnologia e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia, que lidera as análises na Univali, destaca dois momentos importantes no período de abril: a abertura controlada dos setores de serviços no dia 13 de abril e a abertura ampliada no dia 21 de abril. "Fica evidente nos dados apresentados pela Secretaria Estadual da Saúde que estas datas foram momentos com grandes consequências para o incremento dos casos em dias posteriores, como pode ser visto em todas as regiões do estado de Santa Catarina". 

Foz do Rio Itajaí 

Durante o período de 17 de abril a 17 de maio, a região da Amfri registrou um incremento de 323,3% de incidência de casos e de 133% no número de óbitos. No período de um mês, os municípios com maior aumento no número de casos, na região foram os seguintes:

Secretaria Estadual da Saúde* CIGERD Itajaí **

Neste período de um mês, ressalta-se o aumento de casos nos municípios de Penha com 3.000%; Navegantes com 1.788,8%; Itapema (350%); Itajaí (343,9%); Balneário Camboriú (258,6%). Neste período de um mês houve o aumento de 8 óbitos na região.   

Já no período de apenas uma semana (de 10 a 17), os municípios com maior incremento de casos em números absolutos foram Balneário Camboriú (59 casos); Itajaí e Navegantes (48 casos cada município); Camboriú (19 casos); Itapema (13 casos); Ilhota (10 casos) e Penha (09 casos).   

Incidência e mortalidade na região 

Quanto ao coeficiente de incidência de casos de Covid-19 por 1 milhão de habitantes, o maior coeficiente de incidência continua sendo Navegantes (1.890/1.000.000) - 70,4% do que a média nacional. Em relação ao coeficiente de emergência, Navegantes está em estado de emergência (50% acima da incidência nacional). Balneário Camboriú (1.413/1.000.000) e Ilhota (1.199/1.000.000) encontram-se em estado de atenção (número de casos entre 50% e a incidência nacional). 

No que se refere ao coeficiente de mortalidade por 1 milhão de habitantes, os municípios com os maiores coeficientes de mortalidade continuam sendo Penha (61/1.000.000), Porto Belo (47/1.000.000) e Camboriú (36/1.000.000). Estes em estado de atenção (entre 50% e a incidência nacional) e abaixo da média nacional (74/1.000.000).

Número de curados

No âmbito da região já existem um total de 379 casos de curados da Covid-19. O município com o maior número de curados é Balneário Camboriú (126) ou 33,2%; em seguida Itajaí com 93 (24,5%); e Camboriú com 66 casos de cura (17,4%). Entre o dia 15 e 16 houve um incremento de 4 casos (1,1%) de cura da doença. Municípios onde também teve cura, em números absolutos, foram Navegantes (35), Itapema (23), Penha (13), Balneário Piçarras (9), Porto Belo (8) e Ilhota (6). São 120 casos suspeitos, 2.394 descartados e 747 monitorados em toda a região, do total de casos confirmados nos municípios.


Os pesquisadores chamam a atenção para a ação das Prefeituras de Itajaí e Navegantes, na última semana, que divulgaram os dados de incidência Covid-19 na escala dos bairros dos municípios, abrangendo também o território rural e periurbano. Eles sugerem que a medida seja acompanhada por outros municípios da região, especialmente Balneário Camboriú, Camboriú, Penha e Itapema, onde os casos têm sido incrementados nestas últimas semanas.

Brasil 

No início da 20º semana, desde a chegada da Covid-19, no Brasil, o país já está em 5º lugar entre os países com maior acometimento de casos da doença e o sexto em maior número de mortes. O Brasil teve um incremento de 48,17% no número de casos em uma semana, e de 44,9% de óbitos. Na América Latina o Brasil está em primeiro lugar em número de casos, vindo em seguida o Peru, México, Chile e Equador. Destaca-se que no período de apenas um mês o Brasil teve um incremento de 616% no número de casos e de 652% no número de óbitos. No entanto, neste mesmo período, todos os países do mundo apresentaram um incremento de 112% do número de casos e um incremento de 108,2% de óbitos neste mesmo período - o que representa que o país pode ser um dos próximos epicentros da Covid-19 em escala global. 

Equipe de pesquisadores atua na avaliação

O professor Marcus Polette conduz o mapeamento junto com o acadêmico de Engenharia Ambiental e Sanitária, Paulo Pitarello, bolsista do Artigo 171, e os mestrandos Matheus Rocha e Darua Valente, do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental. As professoras Carolina Mussi e Rubia Pereira dos Santos, da Escola do Mar, Ciência e Tecnologia; e as docentes Graziela Liebel e Stellla Maris Brum Lopes (coordenadora), do Mestrado em Saúde e Gestão do Trabalho, uniram-se ao grupo nas análises. Eles trabalham em parceria com um grupo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 

Mais informações e contato para entrevistas: (47) 99179-8121, com o professor Marcus Polette. 

Natália Uriarte Vieira 

Assessora de Imprensa - SC 03085 JP

Coordenadoria de Comunicação

Gerência de Marketing e Comunicação 

(47) 3341-7648 - www.univali.br




As mais lidas do dia

jr.png

| | insta |

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809

 

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

 

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.