nas-redes.png

EDIÇÃO IMPRESSA

Sexta, 22 de março

Capa
Capa

EDIÇÃO IMPRESSA


andre pinheiro 1.png

vida em comunidade

30 Abril 2018 17:49:00

'Porque, onde estiverem dois ou três... Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles' (Mateus, 18:20)

no texto anterior, mencionamos aqui neste espaço a prática - bastante comum em nosso tempo - de pessoas que cultivam seus sentimentos de religiosidade sem participar de comunidades religiosas. embora tal movimento possa ser interpretado como um "sinal dos tempos" pós-modernos, é importante ressaltar que certa tendência ao desapego em relação a grupos religiosos não deve ser considerada irreversível.

escolhas e renúncias

como afirma o velho ditado, "cada escolha, uma renúncia". vendo a questão por este ângulo, não podemos ignorar que ao optar por uma experiência religiosa individual, a pessoa abre mão da convivência com outros que professam a mesma fé.

gente demais

escapar da rotina de cultos e outras atividades agendadas - como grupos de estudo, trabalhos assistenciais, atividades de divulgação etc. - é um dos motivos que levam algumas pessoas a evitar o vínculo mais direto com instituições religiosas. além disso, nem todos têm paciência para as relações pessoais que se estabelecem entre os frequentadores de uma comunidade religiosa. "é muita gente junto, sempre dá confusão", criticarão alguns; "não quero ninguém tomando conta da minha vida", dirão outros.

autonomia

preservar a autonomia nas opiniões ou até mesmo a liberdade de interpretar os textos religiosos da forma que considerar mais adequada - sem a obrigação de concordar com um líder ou sacerdote - também afasta muita gente dos templos religiosos. são os casos em que a opção é vivenciar a fé e a religiosidade sem restrições ao livre pensar.

obrigações 

podemos mencionar, ainda, as obrigações rituais e os preceitos rígidos de algumas instituições religiosas. a obrigatoriedade de realizar determinadas práticas, a proibição de alguns hábitos - sejam alimentares, sexuais ou relativos ao vestuário - também leva alguns indivíduos a passar bem longe dos locais de culto.

buffet 

existem ainda aqueles que preferem fazer uma espécie de seleção entre os elementos de várias religiões, adotando os que considera mais adequados ou convenientes. é como se estivessem em um buffet religioso. nesse "sef-service" da fé, cada um monta o seu próprio prato, escolhendo as práticas e as crenças que parecem mais de acordo com o seu sentimento religioso. esta maneira de vivenciar a religiosidade está em total sintonia com os tempos pós-modernos que vivemos hoje.

a força do grupo

por outro lado, temos as pessoas que encontram força e conforto nas comunidades religiosas. seja qual for a denominação, a experiência da religiosidade em grupo pode trazer excelentes resultados.

compartilhar

o fortalecimento da fé e o sentimento de pertencimento podem fazer a diferença para muita gente. encontrar outras pessoas que têm as mesmas crenças e compartilham diversos pontos de vista deve ser mesmo algo muito reconfortante. nesse sentido, é possível mencionar também a sensação de não estar sozinho, de poder contar com outras pessoas e receber diversos tipos de assistência: material, emocional e espiritual.

orientação 

em relação ao entendimento dos textos e das doutrinas religiosas, a orientação também pode ser algo importante. as pessoas nem sempre têm conhecimento de determinados assuntos. ou, ainda, podem surgir dificuldades diante de escritos que apresentam redação e termos pouco acessíveis, alguns chegando a atingir certos graus de hermetismo. em situações como essa, a atuação de um líder ou até mesmo o debate em grupo são providencias para tornar mais claras as ideias.

espiritualidade

quanto aos aspectos espirituais, a força da coletividade também faz a diferença. as mais diversas religiões - das mediúnicas às pentecostais - contam com práticas em que a atuação em grupo é imprescindível. o contato com o sagrado, com a ancestralidade ou com mundos espirituais é intensificado - em alguns casos, é somente possível - quando acontece em grupo.

fé e amor

apesar de movimentos contrários, a vida religiosa em comunidade ainda é considerada mais segura e consoladora por muitas pessoas. além disso, é muito mais fácil a difusão de conhecimentos quando se trabalha em pequenos ou grandes grupos. seja de maneira individual ou em comunidade, o importante, para quem crê, é vivenciar a sua fé com discernimento, honestidade e, principalmente, amor.



As mais lidas do dia

jr.png

| | insta |

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.


Whatsapp
(48) 8453-0809

 

Quem somos | Mapa do site | Webmail | Painel de controle

 

Copyright © 2017 Jornal Razão - Tijucas SC
Todos os direitos reservados.